PREFEITURA DO RECIFE NÃO PROMOVERÁ SHOWS NO RÉVEILLON

Em função das incertezas do atual cenário sanitário mundial, com notícias de nova variante que acendem o alerta sobre um possível agravamento da pandemia de covid-19, a Prefeitura do Recife não realizará os tradicionais shows da programação de Réveillon, no próximo dia 31 de dezembro, que costumam marcar a virada do ano na orla do Pina e Boa Viagem. O anúncio foi feito nesta terça (30) pelo prefeito João Campos, que garantiu a realização da queima de fogos na orla de Boa Viagem, e também descentralizada em outros bairros da cidade.
“Não haverá shows promovidos pela Prefeitura do Recife no Réveillon da nossa cidade. Então não vai haver grandes shows como sempre acontece na avenida Boa Viagem, no Polo Pina, que são as principais praias do Recife. Mas nós vamos fazer queimas de fogos sem estampidos descentralizadas na cidade. Vamos ter na Zona Sul, na Zona Norte e na Zona Oeste e a queima tradicional de fogos na orla de Boa Viagem, mas sem promoção de shows, que promovem grandes aglomerações, chegando a registrar mais de 1 milhão de pessoas na orla”, disse o prefeito.
Ainda de acordo com o prefeito João Campos o momento de incertezas no cenário da pandemia, causado com o surgimento de uma nova variante exige responsabilidade e cautela do poder público. “Entendendo que vivemos um momento no qual aparece uma nova variante, de muitas incertezas em torno dela. Nós temos avançado muito na vacinação, mas o momento ainda não chegou para promover um encontro de tal tamanho. Então vamos manter a queima de fogos, de forma descentralizada, mas não vamos promover shows pela Prefeitura do Recife na orla de Boa Viagem”, afirmou.
Para receber o ano de 2022 com cores e a mensagem de esperança, a Prefeitura do Recife vai realizar a tradicional queima de fogos na Orla de Boa Viagem, com 17 minutos de um show no céu recifense. Serão quatro balsas dispostas no mar e que serão responsáveis por dar suporte aos fogos que serão projetados sem estampidos.
Para levar a celebração a ainda mais recifenses, também haverá cinco minutos de fogos em polos descentralizados no Ibura, Jardim São Paulo, Morro da Conceição e Lagoa do Araçá. Todos os espetáculos acontecem usando apenas fogos sem estampido, em cumprimento ao decreto municipal, vigente desde o último dia 4 de novembro, que proíbe a utilização de artefatos e fogos de artifício que provoquem poluição sonora em eventos públicos e festivos organizados pelo poder público municipal. No ano passado, a queima de fogos não aconteceu por conta da pandemia e as medidas restritivas em vigor na época.

Fonte – Imprensa/PCR

EM OLINDA, PROFESSOR LUPÉRCIO DEBATE REALIZAÇÃO DO CARNAVAL 2022

A possibilidade de realização do Carnaval 2022 foi tema de reunião convocada nesta terça-feira (30.11) pelo prefeito de Olinda, Professor Lupércio. A cidade, que desde 2017 é reconhecida pelo forte investimento cultural na festa, trabalha com três hipóteses: não realização; que a festa aconteça com controle de acesso; realização do Carnaval em um cenário epidemiológico de 90% da população brasileira totalmente imunizada.
Além do vice-prefeito, Márcio Botelho, a reunião contou com o Comitê Gestor do Município , Secretaria de Patrimônio Cultura e Turismo, além da Secretaria de Saúde, com a Vigilância Sanitária.
O prefeito, Professor Lupércio, informou que a decisão deve ser tomada conjuntamente com outros municípios. O fortalecimento de barreiras sanitárias é imprescindível. Além disso, é preciso continuar monitorando a taxa de vacinação completa (e mais reforço) da população e o comportamento da nova cepa ômicron nos outros países. “Nosso objetivo maior é evitar que as pessoas adoeçam ou morram por causa da Covid-19”, definiu o gestor.

Fonte – Secom/Olinda

DIA 30 FILIAÇÃO DE BOLSONARO TERÁ GRANDE FESTA EVANGÉLICA

A esperada filiação do presidente Bolsonaro, está marcada para hoje 30/11, que será uma grande festa evangélica, todos os presidentes de Igrejas Pentecostais, como Edir Macedo e Silas Malafaia, já confirmaram presença. O presidente escolheu o dia 30/11, por ser o Dia do Evangélico, data criada pelo então deputado Manoel Moraes do PSB, autor do projeto de lei, que no Distrito Federal, é feriado.
E no mesmo dia 30, será a sabatina do “tremendamente evangélico” André Mendonça, para ministro do STF, feita no Senado, com a pressão de todos os irmãos na fé. O dia vai ser animado.

EX-GOVERNADOR JOÃO LYRA DECLARA FIM DE AILANÇA COM PSDB

A aliança da prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, como PL, ficou inviável, conforme o ex-governador João Lyra, declarou na CBN de Caruaru. Lyra, disse que depois das prévias do PSDB, ficou inviável a aliança com o PL: “Nosso voto foi em Eduardo Leite, mas João Dória, foi o escolhido, isto fez com que a aliança com o PL, fique sem nenhuma condição política, ficamos de mãos amarradas, nem Dória, aceita qualquer tipo de aliança com Bolsonaro, nem ao contrário. Teremos que procurar ver como as coisas ficam e cuidar de Caruaru.

DEPUTADO TADEU ALENCAR LANÇA LIVRO

O deputado e ex-procurador federal, Tadeu Alencar, lança mais um livro da sua lavra “Lições da Madrugada” na Livraria Jaqueira do Paço Alfândega.
O livro que reúne artigos escritos para jornais, feitos muitos na pandemia mostra um Tadeu, escritor, poeta e pensador. Ele que era primo da heroína de 1817, Bárbara de Alencar, vem do Crato, terra do ex-governador Miguel Arraes.
Tadeu, foi procurador do estado no governo Eduardo Campos, depois foi secretário da casa civil e se elegeu deputado federal. Fgura muito querida, com certeza vai lotar de amigos a Livraria Jaqueira.

VEREADORES DO AVANTE SÃO CASSADOS

Os vereadores Fabiano Ferraz e Dílson Batista, tiveram seus mandatos cassados pelo TER. Eles são do Avante, partido acusado de ter irregularidades na questão do voto feminino. Os vereadores poderão recorrer da decisão.
Segundo o advogado, os vereadores irão provar sua inocência. Walter Agra, ainda garante que o julgamento foi equivocado. É esperar para ver.

MORO, DE JUIZ A CANDIDATO

O ex-juiz Sergio Moro se filia ao Podemos, mas ainda não sabe se vai concorrer ao mais alto cargo da republica, a presidência. Como maior nome da operação lava jato, o ex-juiz deixou a toga e incorporou-se ao ministério técnico do presidente Bolsonaro. A frente da exitosa operação lava jato, patrocinou prisões de figuras proeminentes, no setor privado e no setor político.
Essas prisões possibilitaram delações premiadas com incontáveis denúncias e provas da corrupção institucionalizada pelos desgovernos de esquerda que antecederam o atual governo. A iminência da prisão assustou muitos dos envolvidos, que, além das delações, também devolveram ao erário vultosas quantias, embora pequenas em relação ao saque cometido.
Esteve à frente do ministério da justiça por aproximadamente 15 meses. Nos primeiros meses Moro atuou de forma positiva na segurança pública, transferiu e isolou líderes de facções criminosas e enviou homens da forca nacional para auxiliar estados e municípios, nesse tempo os índices de violência foram menores comparados com os do ano anterior, nesse mesmo período também aumentou a apreensão de drogas. Mas nem tudo foram flores, sua gestão também enfrentou graves crises como a da segurança pública no Ceará e as das penitenciarias de Manaus e de Altamira, entre outras.
Sua atuação como ministro da justiça deixou a desejar. Apresentou ao congresso seu pacote anticrime que não foi bem visto pelos congressistas, Moro não conseguiu o apoio necessário para a aprovação como proposto, assim sofreu alterações, e só depois de desidratado foi aprovado. Além do excludente de ilicitudes, que reduziria a pena de policiais em ações que resultassem em mortes, no estrito exercício da profissão, também foi retirado do pacote a prisão em segunda instância, apenas para citar alguns. Governadores e especialistas contestam a influência da gestão Moro nos índices apresentados na segurança, o entendimento desses atores é de que o ministério era muito mais da segurança do que da justiça e isso alimentou a polemica junção desses ministérios e sua volta a condição anterior.
A relação entre o ministro e o presidente foi marcada por muitas idas e vindas. Ao que parece o ministro não concordava com algumas das bandeiras do presidente e isso foi evidenciado no vídeo da reunião ministerial divulgado posteriormente, talvez para prejudicar a imagem do presidente, mas que teve efeito inverso. Nele foi possível ver a forte cobrança de Bolsonaro ao ministro da justiça que se posiciona-se contra as prisões arbitrárias de cidadãos e trabalhadores algemados por estarem trabalhando ou se exercitando em parques. Lembrando que a prisão já não era permitida nem em segunda instancia, só após transitar em julgado.
Alegando a troca do diretor geral da PF, indicado para o posto pelo agora ex-ministro, embora seja uma atribuição constitucional da presidência da república, Moro deixa o governo, e o faz, comunicando o presidente de sua decisão através da imprensa.
Os críticos do ex-juiz o acusam de fechar os olhos para alguns malfeitos e de proteger amigos, afirmam que anulou todas as sentenças do Banestado, que desviou bilhões e tinha apenas tucanos envolvidos, que sabia de tudo sobre a irmã de Aécio Neves e sequer pediu investigação, que absolveu a mulher de Cabral e de Eduardo Cunha, com fartas provas contra as duas e mais outras tantas críticas.
Fora do ministério e sem o cargo de juiz, Moro é contratado por empresa americana, que atua em recuperação judicial e assessoria jurídica, para trabalhar na área de disputas e investigações. Essa mesma empresa atuava, já nesse tempo, como escritório administrador judicial da Odebrecht, a principal empreiteira investigada na operação lava jato, comandada à época pelo então juiz, Moro.
Moro enfrenta pedido de suspeição no STF, tem suas decisões contestadas é acusado por opositores de ter praticado abusos durante as investigações e nos julgamentos, e em junho desse ano o pleno, por 7 votos em favor da suspeição e 4 votos contra, declara Sergio Moro suspeito para julgar o ex-presidente Lula. Com esse resultado as decisões do juiz Sergio Moro contra o, agora, ex-presidiarío são anuladas.
Como candidato a presidência Moro discursa em sua filiação e diz que o Brasil não precisa de líderes com a voz bonita, fazendo alusão a comentários sobre sua voz, mas que ouçam e atendam a voz do povo brasileiro, fala em medidas que dificultam o trabalho da polícia, dos juízes e procuradores, fala ainda que já passou da hora de acabar com mensalão, petrolão e rachadinhas. Dito assim até parece depender apenas do presidente eleito, mas fazer isso já não parece tão fácil, depende de muitas variáveis, do congresso e as vezes do judiciário, sem falar que o apoio da imprensa pode ajudar.
Me parece que Sergio Moro, com tendência de centro-esquerda não tinha muita afinidade ideológica com o governo Bolsonaro, que foi o escolhido dos brasileiros para implantar as promessas e bandeiras de campanha.
Disputar a eleição presidencial é direito de qualquer cidadão brasileiro que atenda as exigências constitucionais e Sergio Moro reúne essas condições, é legítimo que pleiteei o maior cargo da república federativa do Brasil. Ser um bom candidato é dever de quem se apresenta na disputa, fazer aquilo que o eleitor espera do eleito já é outra questão, isso só é possível conhecer posteriormente.
O atual quadro político aponta para uma disputa eleitoral entre Bolsonaro, lula ou seu representante e a terceira via, cantada em verso e proza, que tem muitos pretendentes, entre eles Sergio Moro. De lula e de seu partido já sabemos o que esperar, mais escândalos e desfalques, do governo Bolsonaro, também sabemos, trabalho, seriedade, compromisso, patriotismo e competência e da terceira via, sabermos depois.
Eu quero um país com ordem e progresso, que tenha um governo que seja patriota, que defenda o Brasil dos ataques e ameaças exteriores, que não se venda e nem venda nossa autonomia nem nossa liberdade, que defenda o verde, o amarelo, o azul e o branco que são nossas cores, que defenda nossos hinos, que tenha o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

Texto – Jorge Barbosa.

FABRIZIO FERRAZ COMEMORA ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL NO SERTÃO

O deputado Fabrizio Ferraz, comemorou na tribuna da Assembleia de Pernambuco, a ampliação do programa de escolas integrais no sertão do estado em Tuparetama, na Escola Estadual Ernesto de Souza Leite,  Serra talhada e outras cidades da região.
Para ele, estas escolas são de grande importância, pois além de garantir a questão educacional, ocupa a juventude o dia inteiro, e ajuda às famílias carentes, com as três refeições. O Sertão está feliz.

 

E AGORA RAQUEL?

A prefeita Raquel Lyra de Caruaru, que apostou todas as fichas na candidatura de Eduardo Leite, para não ter que carregar um fardo, que é Dória, não admite qualquer tipo de aliança com partidos que venham apoiar Jair Bolsonaro, inviabilizou sua proposta de União com o PL, de Anderson Ferreira.
Desta forma, ela até pode ser candidata, mas num quadro muito difícil. Será que deixara a prefeitura? Esta pergunta, agora terá que ser feita.

DÓRIA GANHA PRÉVIA DO PSDB

O governador de são Paulo, João Dória, será o candidato a presidência da república pelo PSDB, ele concorreu com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus, Artur Virgílio.
Dória, fez um discurso progressista, falando de regatar o Brasil, da esquerda destrutiva e uma direita louca, nós defendemos uma atitude democrática, que possa unir o Brasil.